Obesidade: Muito além do excesso de comida

Estudo publicado pela prestigiada Revista Environmental Pollution confirmou: a obesidade pode estar relacionada com o excesso de toxinas. O sobrepeso é uma situação multifatorial, onde existem inúmeros elementos envolvidos, que vão desde fatores genéticos, hormonais, psicológicos, nutricionais, hábitos inadequados, sociais e até fatores intestinais.

Agora, estudos têm confirmado que há uma relação importante entre os níveis de poluentes (toxinas) ambientais que uma pessoa acumula em seu corpo e seu nível de obesidade. A exposição a essas substâncias pode favorecer o crescimento e proliferação de células de gordura.

Cientistas espanhóis da University of Granada analisaram os níveis de poluentes acumulados no tecido adiposo em cerca de 300 homens e mulheres. A pesquisa mostrou que indivíduos com mais poluentes em seus organismos eram mais gordas e com níveis de triglicérides e colesterol maiores.

As substâncias analisadas, conhecidas como poluentes orgânicos persistentes (POPs), podem permanecer no ambiente por muitos anos, até décadas, sem degradar. Com o passar do tempo, os poluentes orgânicos acumulam gradualmente na gordura e o pior: ajudam a aumentá-la. Os POPs pesquisados foram desde alguns agrotóxicos, inseticidas, produtos de plástico e químicos industriais.

Por isso meu conselho é:

1 – Coma alimentos orgânicos;

2 – Evite recipientes de plástico. Vidro é sempre a melhor opção. Mas se não for possível, pelo menos não esfrie e esquente a comida em vasilhas de plástico, pois é nessa hora que as toxinas se soltam;

3 – Tenha uma alimentação mais natural possível, evitando enlatados e industrializados;

4 – Pratique exercícios físicos, é uma forma natural de detox;

5 – Faça sauna, ela ajuda a eliminar um pouco dessas toxinas;

6 – Otimize a função do seu fígado, principal responsável para limpar o seu corpo, com boas fontes de proteínas, antioxidantes, vitaminas do complexo B e alguns fito nutrientes.;

7 – É de fundamental importância que seu intestino esteja funcionando adequadamente, caso contrário, as toxinas, ao invés de serem eliminadas, acabam sendo reabsorvias e caem novamente na circulação;

VAMOS NOS PREOCUPAR COM A NOSSA SAÚDE!

 

Por Marcely Etchichury – Nutricionista